Vereador de Fortaleza é expulso do PT por atropelar amante

Em Fortaleza, o Partido dos Trabalhadores (PT) expulsou um dos seus vereadores após ele atropelar a sua amante. O vereador Ronivaldo Maia foi acusado de cometer tentativa de feminicídio após atropelar a sua amante. O fato ocorreu em novembro de 2021 e causou a sua expulsão nesta quinta-feira (23/06). Ronivaldo é vereador eleito por Fortaleza e atua na cidade.

Na votação, estavam presentes 53 membros do partido. Dos 53, 27 votaram a favor da expulsão do vereador do partido. Enquanto isso, outros 26 votaram a favor da suspensão do parlamentar. Ao final do pleito, havia um empate com 26 votos para expulsão e 26 para suspensão. Contudo, Antônio Filho, presidente da sigla no Ceará deu o seu voto de minerva e foi favorável a expulsão.

Você pode se interessar  Sergio Moro diz que não se arrepende de ter sido Ministro de Bolsonaro

Nas palavras do presidente do PT no Ceará: “Por 27 a 26, o diretório decidiu pela expulsão do vereador. Houve um empate e meu voto desempatou. O diretório acolheu o parecer e o mesmo está em segredo de Justiça, mas a decisão foi pela expulsão”.

Você pode se interessar  Juiz que mandou prender Milton Ribeiro já agiu contra Bolsonaro na pandemia

Ronivaldo Maia foi preso em novembro de 2021, acusado de tentativa de feminicídio. Porém, foi solto em fevereiro deste ano e permanece em liberdade, logo após ter sido agraciado com um habeas corpus. A partir de hoje, se inicia o prazo para que o vereador possa recorrer da decisão que o expulsou do partido. O recurso será direcionado ao diretório nacional do Partido dos Trabalhadores. 

Você pode se interessar  Urgente! Senado aprova requerimentos e ministros do STF serão ouvidos sobre suposto ativismo judicial

Caso ele consiga obter uma decisão favorável, poderá ser incorporado novamente ao partido e continuar a disputar os pleitos futuros pela sigla. Contudo, se a decisão for mantida, ele estará impedido de carregar a bandeira do Partido dos Trabalhadores e poderá até mesmo perder os seus direitos políticos por um determinado período, que ficará a cargo do juiz decidir.