Reunião de Bolsonaro com embaixadores incomoda ministro do STF

Na tarde desta segunda-feira (18/07), o presidente Jair Bolsonaro (PL) esteve em reunião com os embaixadores de vários países do mundo. Na ocasião, o presidente aproveitou para falar sobre as urnas eletrônicas e a resistência que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostrou em relação à sugestão de participação das Forças Armadas durante as eleições que ocorrerão em novembro deste ano. Além do mais, Bolsonaro também externou a sua preocupação quanto a segurança das urnas eletrônicas e a legitimidade da apuração.

Você pode se interessar  Bolsonaro comenta eleições de 2022

Do outro lado, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Edson Fachin, discursava em um evento realizado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A reação de Fachin foi nítida, mostrando uma grande indignação pela fala do chefe do Poder Executivo. Contudo, o ministro preferiu não citar diretamente o nome de Jair Bolsonaro.

Fachin afirmou que “é hora de dizer basta” e que existe um grande “negacionismo eleitoral por parte de uma personalidade governamental importante” em nosso país.

Você pode se interessar  Bolsonaro cresce e lula cai diz pesquisa BTG/FSB

O clima entre os poderes segue tenso no Brasil. De um lado, temos o presidente Bolsonaro, que busca mais transparência ao processo eleitoral, de modo que fosse possível garantir legitimidade as urnas eletrônicas e atestar a sua segurança. Do outro lado, temos os ministros do Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral, que buscam a todo custo desqualificar o presidente e fazer com que a opinião pública fique contra ele, utilizando de artifícios jurídicos para realização desses objetivos. Contudo, o país segue atento as tramas dos ministros, principalmente aqueles que possuem ligação com a esquerda e o Partido dos Trabalhadores (PT).

Você pode se interessar  Novo Adélio Bispo? homem é preso com faca em motociata de Bolsonaro em Manaus (veja o vídeo)

Em breve Jair Bolsonaro dará a resposta que o povo tanto clama nas urnas, impedindo que a ditadura Petista e a esquerda “ódio do bem” voltem ao poder.