Brasil andando! Privatizações feitas por Bolsonaro trazem mais de R$300bi para os cofres públicos

Um dos pontos centrais da campanha de Jair Bolsonaro (PL) na corrida presidencial de 2018 foi a privatização de estatais que davam prejuízo aos cofres públicos. O presidente tem cumprido com a sua promessa e, de acordo com informações divulgadas pelo site Poder 360 na manhã deste domingo (17/07), as arrecadações federais já ultrapassam a marca de R$300 bilhões desde que Bolsonaro assumiu a cadeira presidencial.

Segundo o site, grande parte desse valor foi obtido já em 2019, no primeiro ano de Bolsonaro a frente do Poder Executivo. Somente em 2019, os cofres públicos receberam cerca de R$100 bilhões em privatizações. No ano de 2020, após o início da pandemia de Coronavírus, esse valor sofreu uma redução e chegou a pouco mais de R$55 bilhões. No ano seguinte, o valor se manteve e os cofres públicos tiveram um acréscimo de R$59 bilhões. Finalmente, no ano de 2022, o valor das privatizações chegou a R$76 bilhões.

Você pode se interessar  Deputado Bolsonarista alerta para dívida bilionária que a Globo possui e alerta para possível perda da concessão. “Vai ser muito difícil - afirma deputado

Ao todo, a soma das arrecadações que se iniciaram a partir do governo Bolsonaro em 2018 chegam a R$300 bilhões. Esse montante foi obtido a partir de desinvestimentos em estatais e das privatizações. Além do mais, o governo fez a outorga de mais de R$67 bilhões da estatal Eletrobras. Logo, o setor elétrico foi um dos principais responsáveis pela alta arrecadação para os cofres públicos, aliada a negociação de ações que o governo detinha, vendendo ações do Banco do Brasil, CaixaPar e BNDES. A subsidiária da Petrobras, TAG (Transportadora Associada de Gás) também trouxe aos cofres públicos R$33 bilhões.

Você pode se interessar  Saiba o real motivo por trás de manifestações de artistas

Grande parte dos valores obtidos são destinados ao pagamento da dívida pública, que chega a R$5 trilhões. Quanto a Eletrobras, o valor foi destinado a reforçar o pagamento do Auxílio Gás e do Auxílio Brasil, que sofrerão aumentos.