Ótimas notícias para Bolsonaro: crescimento nas pesquisas mostra confiança do povo em sua gestão

A instituição PoderData realizou uma nova rodada de pesquisas sobre as intenções de voto no país. Divulgada no início desta quarta-feira (20/07), a pesquisa aponta um notável crescimento do presidente e pré-candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, nas intenções de voto do povo. Em grande parte, isso se deve a confiança que os brasileiros têm na gestão do chefe do Poder Executivo, assim como todas as ações que vem sendo tomadas nos últimos meses para reduzir os impactos da pandemia na economia do país.

Você pode se interessar  Bolsonaro para Alexandre de Moraes: "quer intimidar quem?"

De acordo com a pesquisa publicada, o ex-presidente Lula ainda segue na liderança, com um percentual de diferença sobre Bolsonaro de apenas 3% no primeiro turno. Enquanto Bolsonaro continua crescendo nas pesquisas, o ex-presidiário Lula enfrenta uma onda de quedas que já dura meses.

As variações sofridas pelos candidatos estão em conformidade com a margem de erro estipulada. Nas últimas duas semanas, Luiz Inácio Lula da Silva registrou uma queda de 44% para 40% nas intenções de voto do público. Enquanto isso, o presidente Jair Bolsonaro registrou uma alta de 33% para 37%, crescendo 4 pontos percentuais. Nas demais pesquisas realizadas por outras instituições como a Genial, DataFolha e BTG, Bolsonaro segue crescendo.

Você pode se interessar  Urgente! Senado aprova requerimentos e ministros do STF serão ouvidos sobre suposto ativismo judicial

Especialistas apontam que o crescimento exponencial do presidente está ligado principalmente as ações tomadas. A última delas foi zerar o imposto federal que incidia nos combustíveis. Isso fez com que houvesse uma queda de mais de R$2 no valor do litro da gasolina e do etanol. Fora isso, Jair Bolsonaro também aumentou o valor do auxílio Brasil, que passou de R$400 para R$600. Tudo isso pensado para ajudar a economia do país e reduzir os impactos causados pela pandemia de Covid-19, assim como o “fique em casa e a economia a gente vê depois”.