Ministro da Justiça irá investigar vídeo que simula a morte de Bolsonaro

Na manhã deste sábado (17/07), Anderson Torres, Ministro da Justiça e Segurança Pública, comunicou por meio de nota que irá investigar vídeo que simula a morte do presidente Jair Bolsonaro (PL). No vídeo, esquerdistas fazem uma encenação do atentado a Bolsonaro. Para Anderson Torres, as cenas retratadas no vídeo são chocantes. O ministro se comprometeu em analisar todas as medidas cabíveis e responsabilizar os participantes.

Nas palavras do Ministro da Justiça: “Circulam nas redes fotos e vídeos de um suposto atentado contra a vida do presidente Bolsonaro. Produção artística??? Estamos estudando o caso para avaliar medidas cabíveis e apurar eventuais responsabilidades. As imagens são chocantes e merecem ser apuradas com cuidado”.

Você pode se interessar  Bolsonaro afirma "O PT não vai chegar tão cedo ao poder”

O vídeo que mostra o atentado a Bolsonaro foi bastante compartilhado nas redes sociais e acabou viralizando neste fim de semana. As imagens despertaram indignação de políticos aliados de Bolsonaro, além de todos os apoiadores que são contra este tipo de “manifestação”. Com a aproximação das eleições de novembro, manifestantes alinhados com a ideologia “esquerdista” estão cada vez mais desesperados e tentam de todas as formas mancharem a imagem do presidente.

Você pode se interessar  Bolsonaro comenta eleições de 2022

Para a deputada Carla Zambelli, o vídeo demonstra o “ódio do bem” que esquerdistas possuem, inclusive pedindo a morte do presidente. Para Carla, é necessário “pedir orações” para Bolsonaro. Trata-se de uma “guerra do bem contra o mal”. Vamos vencer – afirma Carla Zambelli.

Você pode se interessar  Globo sofre nova derrota na justiça e deve perder R$ 1 milhão após ex-apresentadora mover ação contra a emissora

Damares Alves, ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos se pronunciou acerca da encenação e cobrou do Ministério Público a apuração e responsabilização dos envolvidos. Para Damares, a encenação é um estímulo para que pessoas cometam um atentado contra a vida do presidente da República. “As cenas são repugnantes e não podem de forma alguma serem toleradas” – afirma a ex-ministra.