Justiça decreta prisão preventiva de Demétrius, advogado que espancou procuradora

A Polícia Civil do estado de São Paulo representou pela prisão preventiva do procurador acusado de agredir a chefe no trabalho. Demétrius Oliveira de Macedo agrediu Gabriela Samadello Monteiro de Barros, procuradora-geral da Prefeitura da cidade de Registro, que também é chefe dele. Em nota emitida pela delegacia e assinada pelo delegado responsável, Daniel Vaz Rocha, lotado no 1º DP, a corporação afirma que representou judicialmente pela prisão preventiva do procurador acusado de agredir chefe. O pedido foi formulado e apresentado na 1ª Vara Criminal de Registro.

Você pode se interessar  Mais uma para conta: Globo é processada em 15 milhões por suposto plagio em ' A Dona do Pedaço' entenda

De acordo com o disposto no despacho policial, o procurador acusado teria diversos problemas relacionados ao relacionamento com as mulheres no seu ambiente de trabalhado. Nesse sentido, caso permanecesse em liberdade, poderia expor as vítimas a sério e real perigo de vida, bem como causar desordem pública.

O Governador do Estado, Rodrigo Garcia (filiado ao PSDB) afirmou na manhã desta quarta (22/06) em suas visitas às cidades de São Vicente e Peruíbe que: “A agressão do procurador de Registro a uma colega não ficará impune. A Polícia Civil acaba de pedir a prisão do agressor Demétrius Macedo. Que a Justiça faça a sua parte e puna todo e qualquer covarde que agrida uma mulher”.

Você pode se interessar  O poder das redes sociais para Bolsonaro

Segundo as informações disponibilizadas pela Polícia Civil, no inquérito instaurado com vistas a apurar a agressão, foram reunidos vídeos e fotos do ocorrido, assim como o depoimento dado pela vítima Gabriela Samadello. Tais provas serviram como fundamento na formulação da representação pela prisão preventiva do agressor.

Você pode se interessar  Cantor Zé Neto se Manifesta após deixar os fã de Anitta "Irritados"

Procurador segue em liberdade

O delegado do Caso afirmou em entrevista que Demétrius segue em liberdade porque não foi possível prendê-lo em flagrante. Sendo assim, foi lavrado um Boletim de Ocorrência e posteriormente houve a liberação do acusado, até a apreciação da representação pelo magistrado.