Japão manda para forca homem que se envolveu em acidente e matou 7 pessoas em 2008

No início desta terça-feira (26/07), o Japão mandou para forca um homem que foi apelidado pela população de “assassino de Akihabara”. Ele se envolveu em um acidente em 2008 que tirou a vida de pelo menos 3 pessoas e deixou outras 10 feridas, além de esfaquear e matar outras 4, de acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Justiça. O acidente ocorreu no centro comercial tecnológico de Tóquio, um dos mais movimentados de todo o país. O homem a ser executado é Tomohiro Kato, atualmente com 39 anos de idade.

Você pode se interessar  EUA: 50 pessoas são encontradas mortas em caminhão

As autoridades japonesas o condenaram a morte após ele atropelar e matar 3 pessoas ao dirigir um caminhão. Além do mais, insatisfeito com as 3 mortes, Tomohiro Kato ainda saiu do caminhão e esfaqueou outras 4 pessoas na cidade de Akihabara, também levando-as a morte. A lei japonesa determina que criminosos como ele sejam executados na forca, o que ocorreu no Centro de Detenção de Tóquio, local em que Tomohiro estava preso. Todas as informações foram divulgadas pelo ministro da Justiça do Japão, Yoshihisa Furukawa.

Você pode se interessar  Europa em alerta: Reino Unido registra a mais alta temperatura da sua história, atingindo 40ºC

Nas palavras do ministro: “Kato atacou indiscriminadamente, deixando sete pessoas mortas após uma exaustiva preparação em um caso cruel que influenciou a sociedade japonesa.” O massacre aconteceu em 8 de junho de 2008 e ficou conhecido como “massacre de Akihabara”. O crime chocou o país e tornou-se um dos incidentes mais lembrados por toda a comunidade internacional.

Você pode se interessar  Cientistas de Nova Iorque descobrem remédio capaz de eliminar o câncer

O Japão, assim como os Estados Unidos, é um dos poucos países que ainda adotam penas de execução. De acordo com os números divulgados pelo Ministério da Justiça, existem cerca de 106 prisioneiros que estão prestes a serem executados e se encontram no corredor da morte. Ainda que muitos países critiquem, eles aceitam a soberania japonesa e evitam se intrometerem neste tipo de assunto no país.