Bolsonaro usa as redes sociais para debochar da decisão do Ministro do STF Alexandre Moraes e compartilha reportagem sobre ‘diálogo cabuloso’ entre PCC e PT

O presidente Jair Bolsonaro (PL) utilizou as suas redes sociais para debochar de decisão do Ministro do STF. No início da manhã desta terça-feira (19/07), o chefe do Poder Executivo ironizou, através das redes sociais, a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes. Na decisão, o ministro proibia a associação do nome do ex-presidente Lula e do Partido dos Trabalhadores ao PCC e a morte de Celso Daniel. Além disso, também foi proibido pelo ministro a associação do Partido dos Trabalhadores ao fascismo e ao Nazismo.

Você pode se interessar  Saiba o real motivo por trás de manifestações de artistas

Trata-se de uma ação, iniciada pelo PT no Tribunal Superior Eleitoral, pedindo que 14 pessoas excluam suas publicações que falam sobre esse tema. No Tweet compartilhado por Bolsonaro na rede social Twitter, ele ironiza: “Líder da facção criminosa [irraaa] reclama de Jair Bolsonaro e revela que com o Partido dos [irruuu] o diálogo com o crime organizado era “cabuloso”. Completando a sua fala, Bolsonaro diz: ““É o grupo praticante de atividades ilícitas coordenadas denominado pela 15a e 3a letra do alfabeto com saudades do grupo do animal invertebrado cefalópode pertencente ao filo dos moluscos”.

Você pode se interessar  Bolsonaro ironiza Deolane Bezerra e Lula, " feitos um para o outro"

O chefe do Poder Executivo usa o seu bom humor para demonstrar a insatisfação com o ativismo judiciário que impera no país. Isso porque uma das maiores ironias apresentadas é justamente o fato do Partido dos Trabalhadores e do ex-presidiário Lula não querer que os seus nomes estejam associados a organizações criminosas. Ademais, Bolsonaro segue animado em suas visitas pelas cidades do país, arrastando multidões nas motociatas.

Você pode se interessar  General do Exército "mete o pé na porta" e dispara contra a possível reeleição de Lula: "Desastre e ruína moral da nação e de suas instituições”