Bolsonaro fala pela primeira vez sobre o vídeo que simulava sua morte: “estão demonizando minha pessoa”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comentou pela primeira vez o vídeo que simulava sua morte. A fala do chefe do Poder Executivo ocorreu após vídeos dos bastidores da produção cinematográfica que retrata a morte do presidente após um atentado sofrido. As imagens começaram a circular nas redes sociais no último final de semana. Neste domingo, Bolsonaro falou sobre o tema e afirmou que estão tentando demonizá-lo utilizando esta obra.

Nas palavras do presidente: “Foi muito bem feito o vídeo, com a cara que tá ali exatamente parecida comigo. E lá no final também tá uma suástica no peito. Não sei qual a intenção desse vídeo, se é pra jogar pra fora do Brasil ou internamente, mas é demonizando a minha pessoa”. O vídeo acabou viralizando em todas as redes sociais e internautas especulam que a Rede Globo seria a responsável pela gravação das cenas. Porém, em nota, a emissora afirmou que não tem qualquer tipo de ligação com as imagens gravadas.

Você pode se interessar  Saiba o real motivo por trás de manifestações de artistas

Em suas declarações, a emissora desmentiu as hipóteses levantadas pelos internautas, que indicaria a participação dela nas produções, seja através dos seus canais fechados, como o Globo Play ou mesmo pelos canais abertos. A Globo afirma ainda que após realizar apurações, o vídeo que mostra o presidente morto após um atentado é na verdade parte do filme “A Fúria”, que está em processo de produção e pertence ao cineasta Ruy Guerra.

Você pode se interessar  Globo sofre nova derrota na justiça e deve perder R$ 1 milhão após ex-apresentadora mover ação contra a emissora

Por sua vez, a produção do filme afirmou que a cena publicada nas redes sociais foi, na verdade, tirada de contexto. Além disso, sua divulgação foi feita de forma ilegal e os responsáveis pelo vazamento serão punidos na forma da lei.

Você pode se interessar  Brasil andando! Privatizações feitas por Bolsonaro trazem mais de R$300bi para os cofres públicos

O Ministério da Justiça já deu início as investigações e se comprometeu na análise das medidas cabíveis ao caso.